quinta-feira, 23 de abril de 2009

"Sebinho", "Cambacica", "Bananaquit"(Coereba flaveola)

sebinhoUtilizei o meu celular para atrair esse sebinho que ficou muito curioso para ver de onde vinha o outro macho, aproximando-se uns 2 metros da câmera. Foi muito bonito a reação dele, pois era o líder daquele território e não queria perder a liderança nem para um gavião!


Fonte: Aves do Pantanal
Habitante da copa e borda das matas ciliares, cerradões, cambarazais e matas secas, o sebinho alimenta-se, basicamente, de néctar das flores, complementado com frutos e insetos. Ao contrário dos beija-flores, não fica voando em frente à flor. Pousado em um galho, enfia o bico na corola e suga o néctar. Nas flores com corola comprida, abre a base das mesmas com o bico e vai até a fonte de néctar. Com essa técnica não poliniza a flor, razão principal para a planta produzir o líquido açucarado e atrair polinizadores.Na busca por alimento, muitas vezes fica de cabeça para baixo em um galho, visando atingir a flor. Geralmente está no meio das folhas e movimenta-se pelo interior da copa. Entretanto, voa bem e atravessa áreas abertas entre matas ou para visitar uma árvore isolada e florida em um campo. Também visita arbustos isolados e próximos à mata.A principal característica é o bico relativamente longo e curvo, com a listra superciliar branca destacada contra o cinza escuro, quase negro, da cabeça. A garganta cinza clara é outra região logo notada, em especial pelo contraste com o amarelo vivo do restante das partes inferiores. Cauda curta em relação ao corpo. Em condições excepcionais de luz, é possível ver a pele avermelhada da base do bico (foto). Comum em todos os ambientes florestados, muitas vezes é de difícil observação pelo seu tamanho e hábito de ficar movimentando-se no meio da folhagem. O canto, por outro lado, é marcante e único. Um chiado alegre e longo, com variações no meio e bem chamativo. Canta o ano todo, com maior constância entre julho e novembro, período reprodutivo.Adapta-se facilmente a ambientes urbanos, sendo comum até em cidades do porte de São Paulo e Rio de Janeiro. Encontrado nas flores dos jardins do hotel em Porto Cercado, onde pode ser visto sendo perseguido por beija-flores, desejosos de afastá-lo da fonte de néctar. Também visita as garrafinhas com água açucarada colocada para beija-flores.

Fevereiro de 2009, Águas de São Pedro.