quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Ariramba-de-cauda-ruiva - Rufous-tailed Jacamar (Galbula ruficauda)

Ariramba-de-cauda-ruiva - Rufous-tailed Jacamar (Galbula ruficauda)

Fotografado em Julho de 2008 no antigo matadouro de Rio Claro.

Foi fácil fotografá-lo, pois estava parado nesse galho e ficou lá por muitos minutos me observando. Pude fazer várias fotos que ele não se incomodou com a minha presença. Depois de um tempo, saiu voando em alta velocidade mata adentro e sumiu.
Um belo exemplar de macho, estava solitário, apenas em descanso e fazendo a limpeza das penas.

Também chamado de "Bico-de-agulha", "Fura-barreira", "Beija-flor-da-mata-virgem"(Galbula ruficauda)



À primeira vista, parece um grande beija-flor, devido tanto ao seu bico longo e fino, quanto à coloração verde-amarelada iridescente de grande parte da plumagem (foto - semelhança responsável por um dos nomes comuns). Pousa em galhos e cipós expostos, desde 1 metro do chão até 4 metros de altura. Esses poleiros são usados seguidamente como pontos de espreita das presas e locais de alimentação. Uma vez localizados, facilitam o encontro dessa ave espetacular, representante de uma família exclusiva das Américas.
Caçam exclusivamente insetos em vôo, com grande destreza e velocidade para apanhar presas desde o tamanho de uma pequena abelha sem ferrão (meliponídeos) até libélulas e mariposas. Após capturarem o inseto, voltam ao ponto de partida e batem-no repetidamente contra o poleiro, retirando asas e quebrando a carapaça externa, o que irá facilitar a ingestão. Logo após processarem uma presa, voltam a prestar atenção aos movimentos no entorno, com rápidos movimentos de cabeça sublinhados pelo longo bico.
Nos machos adultos (foto), a garganta é branca, enquanto na fêmea e nos machos juvenis ela é ferrugínea. Vivem em casais o ano inteiro, com os filhotes sendo alimentados pelos pais por algumas semanas após sairem dos ninhos. Cavam galerias estreitas e compridas nas barrancas de rios, em cupinzeiros nas árvores ou nos torrões de terra presos nas raízes de grandes árvores tombadas (o nome fura-barreira nasceu dessa característica). Na base da entrada da galeria, é possível ver as pequenas depressões laterais feitas pelos pés das aves chegando e partindo. Macho e fêmea chocam até 4 ovos por ninhada.
Além das cores e hábitos, outra característica especial dessa espécie é o canto. O chamado mais freqüente é como uma risada aguda, iniciando-se espaçada e acelerando no final, ficando cada vez mais aguda. Um membro do casal responde ao outro seguidamente. Pelo timbre, imagina-se que seja uma ave menor produzindo-o.
Habita a mata seca, cambarazais, cerradões e matas ciliares da RPPN. Pode ser encontrado em áreas semi-urbanizadas, como ao redor do hotel em Porto Cercado. Ativo durante todo o dia, mesmo nas horas mais quentes, é sempre inesquecível vê-la sob a luz forte do sol pantaneiro. Ocorre em todo o Pantanal, nas áreas florestadas e secas, além de boa parte do Brasil, nos ambientes mais adensados, especialmente em suas bordas e clareiras.

Fonte: Aves do Pantanal